03/08/2016 09:00

Centros esportivos - Rio 2016

Os Jogos Olímpicos já encheram os olhos do mundo com arquitetura, a partir do momento em que o Japão entendeu por bem, em 1964, fazer deles uma vitrine do país anfitrião. A ideia nascida em Tóquio prosseguiu até 2008, quando Pequim causou alvoroço com seu Ninho de Pássaro, um estádio monumental concebido pelo escritório suíço Herzog & de Meuron e hoje subutilizado, assim como outras belas obras feitas para a ocasião. Nas quatro áreas do Rio de Janeiro em que os jogos irão ocorrer, tão importante quanto as competições será o seu legado uma vez terminado o evento.

Desde Londres, em 2012, a premissa de uma arquitetura que pode ser transportada para outros lugares começou a se forjar. Aqui, ganhou uma dimensão efetiva e o exemplo mais radical é a Arena do Futuro. Ela será desmontada e transformada em quatro escolas municipais. Não se trata de um projeto posterior. Elas foram pensadas, desde o primeiro esboço, levando em consideração os terrenos onde serão implantadas.

A proposta de dar outros fins a uma construção olímpica, no entanto, se restringe à Arena do Futuro e ao Estádio Aquático – as demais instalações serão adaptadas, sempre voltadas aos esportes. Se essa é uma nova tendência, poderemos conferir no Rio e daqui a quatro anos, quando os Jogos retornam a Tóquio.

Saiba mais, a seguir, sobre os centros esportivos da Olimpíada Rio

Arena da Juventude - Vigliecca & Associados: Erguida na área remodelada depois de ter sediado os Jogos Pan-Americanos de 2007, a arena, sede do basquete feminino e de lutas de esgrima, será adequada internamente para se tornar um centro de formação e aperfeiçoamento de atletas.

Estádio Aquático Olímpico - GMP Architekten: Terminadas as provas de natação e de polo aquático, ela será desmembrada em dois estádios destinados a atletas de alto rendimento.

Arena do Futuro - Oficina de Arquitetos, Lopes Santos & Ferreira Gomes, MBM e DW: Quem for ao Parque Olímpico da Barra assistir ao handebol e ao goalball (este na Paralimpíada), pode se deparar com vigas e outros itens da estrutura gabaritados – isso porque essa arena será desmontada para ser reerguida em quatro diferentes endereços na forma de escolas municipais.

Arenas Cariocas - Aecom e Arqhos Arquitetura: Elas formam a maior instalação da Barra. Com quase 85 mil m². A Arena 1 continuará no legado como ginásio poliesportivo. As outras duas, unidas, formarão um grande centro olímpico de treinamento para atletas de todo o Brasil. Para isso, o espaço contará com alojamento.

Fonte: CasaVogue.globo.com